Minas segue como maior produtor de café no Brasil

Minas segue como maior produtor de café no Brasil

O estado de Minas Gerais mantém o título de maior produtor nacional de café. De acordo com dados da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), foram colhidas 21,45 milhões de sacas neste ano, o equivalente a 46% da safra em todo o país. Além dos números, este protagonismo ainda será representado como sede da Semana Internacional do Café, que volta ao Expominas, em Belo Horizonte, entre os dias 10 e 12/11, além de oferecer uma intensa programação on-line simultaneamente.

O café é cultivado em 451 municípios de Minas em uma área de 1,3 milhão de hectares. De todo o montante produzido no estado, o do tipo arábica responde por aproximadamente 99%. Outro dado que impressiona é a quantidade de países na lista de exportação. São mais de 80, incluindo China, Estados Unidos, Alemanha, Itália e Japão entre os maiores compradores. Tamanho interesse pode ser justificado pela qualidade e diversidade do produto na região.

“Os cafés de Minas Gerais se distinguem por diferentes sabores e aromas, possíveis, principalmente, por conta das variações de clima, altitude e sistemas de produção. Essas características permitem a conquista de diversos clientes nos mercados nacional e internacional”, explica a secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini.

Vencendo Desafios

Em 2020, a cafeicultura mineira foi atingida por uma grande seca, enquanto neste ano sofreu com severas geadas, onde muitos produtores perderam grande parte de suas lavouras. Esses eventos, juntamente com um ciclo de bienalidade negativa, trouxeram redução na produção em relação à safra anterior, quando foi registrado o recorde histórico de 34,65 milhões de sacas.

“Uma força-tarefa de apoio aos produtores foi criada, envolvendo os órgãos do Sistema Estadual de Agricultura. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Geraiss (Emater-MG) elaborou laudos gratuitos para os pequenos produtores. Os laudos são importantes para que os produtores afetados, que tiveram acesso ao crédito rural, possam ter acesso ao seguro agrícola, à renegociação de suas dívidas e aos recursos das linhas de financiamento ao amparo do Funcafé. Também foi elaborada uma cartilha com as principais recomendações para os produtores afetados pelas geadas. Esperamos que na safra de 2022 possamos superar esses desafios”, completa Ana Valentini.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *