Impacto da COVID-19 no setor imobiliário

Os impactos do coronavírus no setor imobiliário, no comportamento do consumidor e das empresas foi um dos tema das reunião da Câmara da Indústria da Construção da FIEMG realizada, de forma virtual, no dia 28/05.

Para Teodomiro Diniz Camargos, vice-presidente da FIEMG e presidente do colegiado, a reunião teve um sentindo especial por mostrar a importância da cadeia produtiva do setor nas atividades econômicas no estado e no país. “Apesar do momento difícil que estamos passando, a Construção Civil é essencial para propiciar o bom andamento dos motores da economia”, afirma.

Segundo o vice-presidente da Área Imobiliária do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (SINDUSCON-MG), Renato Michel, os impactos da pandemia no setor em Minas não têm sido negativos. Os dados de vendas e lançamentos no 1º trimestre de 2020 foram positivos e tiveram um aumento em relação ao mesmo período do ano passado. Michel ressaltou a capacidade de adaptação do consumidor e das empresas durante o período de crise. “Embora a covid-19 tenha paralisado diversas atividades no país, as obras na construção civil em Minas Gerais tiveram continuidade. Isso contribuiu para a preservação dos empregos e será um fator importante na retomada da atividade econômica”, ressalta.

Guilherme Werner, sócio-consultor da Brain, apresentou um estudo que revela o comportamento do consumidor durante a crise. O material analisou o cenário do mercado imobiliário em Minas e no Brasil. De acordo com Werner, as empresas mineiras tem forte presença no mercado da construção civil e imobiliário. “12,2% das empresas de todo o país, com faturamento acima de R$ 100 milhões/ano, são de Minas Gerais”, avalia. Sobre os lançamentos previstos, a expectativa em Minas de postergar é menor do que no resto do país, mostra o estudo.

Ieda Vasconcelos, economista do SINDUSCON-MG, apresentou o estudo “Economia Nacional e Construção Civil: Desempenho e Perspectivas”. Mesmo diante da crise que se aprofundou na segunda quinzena de março, as vendas de apartamentos novos cresceram 12,8% em Belo Horoznte e Nova Lima em relação ao mês de fevereiro/20 e os lançamentos cresceram expressivamente: 290%, passando de 120 unidades em fevereiro, para 468 unidades em março. A análise de grandes setores nos meses de março e abril permite verificar que a Construção obteve o segundo melhor resultado, ficando atrás somente da Agricultura. “Os números revelam que o setor manteve as suas atividades em quase todo o país e mesmo após o agravamento da crise econômica, conseguiu preservar importantes postos de trabalho, apesar de também ter sentido os reflexos da crise”, diz a economista.

Lúcio Silva, presidente do Siprocimg, participou do encontro e falou do sucesso da iniciativa da Biblioteca BIM de Blocos de Concreto. Amira Zaidan, vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos de Cimento do Estado de Minas Gerais (SIPROCIMG), falou sobre gestão de empreendimentos familiares e as possíveis soluções para o futuro.

Além dos membros da Câmara da Indústria da Construção da FIEMG, participaram também da reunião os presidentes dos SINDUSCON’S regionais: Efthymios Panayotes (SINDUSCON-TAP); Edson Mendes Araújo (SINDUSCON-Sul) e Aurélio Marangon Sobrinho (SINDUSCON-JF).

Fonte: Agência Fiemg

Deixe um comentário