Câmara de TC fica lotada em debate sobre o Rio Verde

Na noite de quinta-feira (22), a Câmara Municipal de Três Corações sediou o 2o Debate Regional sobre a saúde do rio Verde. A causa do evento mobilizado pelo Coletivo rio Verde VIVO sensibilizou a presença de cerca de 150 pessoas na Casa Legislativa tricordiana.

Durante três horas, tanto cidadãos da região quanto os representantes de 22 instituições governamentais e da sociedade civil expuseram seus múltiplos olhares afetivos e dados técnicos para um retrato atualizado sobre rio que viabiliza a vida na região.

“As queimadas na Floresta Amazônica estão para o Brasil, assim como a poluição do rio Verde está para a nossa região. Sem ambos em equíbilio ambiental, não há qualidade de vida para nenhuma forma de vida, inclusive a  humana”, com a frase, Diego Gazola, um dos membros do Coletivo rio Verde VIVO conclui sobre o processo de despertar gradativo dos sulmineiros para a relevância do rio para cerca de 500 mil habitantes em 31 cidades banhadas pelo corpo hídrico.


A arquiteta e urbanista Angela Azevedo, também membra do Coletivo, discorreu sobre a análise minuciosa de mais de 500 páginas de dados enviados previamente pela Copasa mediante solicitação do rio Verde VIVO. O resultado da consolidação e classificação das informações foram alarmantes. Identificou-se falhas na frequência de coleta de amostras e na seleção de substâncias nocivas que deveriam ser checadas semestralmente seguindo a Portaria do Ministério da Saúde. A ausência de representantes do setor do agronegócio e da Superintendência Regional de Saúde deixou muitas dúvidas sem respostas.

A omissão das prefeituras quanto à operacionalização de seus Planos Municipais de Saneamento Básico, que envolve a fiscalização das irregularidades relativas aos agrotóxicos e ao tratamento de esgoto na área rural, também foi mencionada como causas da contaminação do curso d’água. 

Técnicos da Superintendência Regional de Meio Ambiente (SUPRAM) participaram do Debate e sobre a barragem de Varginha mencionaram que acompanham as operações da CPFL Renováveis para a retirada das macrófitas do reservatório da PCH Boa Vista 2, bem como as pesquisas da empresa para identificar possíveis focos de origem da entrada dos nutrientes. O representante da empresa relatou em números o grande esforço que a vêm fazendo visando a retirada dos aguapés em pleno período de estiagem.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) compartilhou avanços desde o primeiro debate, entre outros, o fato de que haverá Audiência Pública no mês de novembro referente ao processo de viabilidade ou não da PCH Balsa da Cachoeira idealizada para ser construída próxima à foz do rio Sapucaí no Lago de Furnas.

Na próxima semana o Coletivo rio Verde VIVO divulgará a 2a Carta das Águas do rio Verde com uma compilação das principais informações a cerca do que foi debatido em Três Corações, assim como disponibilizará na integra o vídeo da transmissão, que contou com a tradução em tempo real na linguagem de libras.

O 3o Debate Regional sobre a saúde do rio Verde será sediado por Cambuquira e a previsão é que ocorra no mês de outubro de 2019.

Deixe um comentário